Africa – Deolinda Rodrigues

by angolanasnaturais2011

África
mãe África
você me deu à luz a partir do seu ventre
nascida do solo colonial
nutrida pelo leite de seu peito
Eu cresci
atrofiada, mas ainda assim eu cresci
rapidamente para a juventude
como uma estrela que cai no céu
após a morte de um antepassado
Hoje eu sou uma mulher
eu não sei ainda se vou ficar uma mulher velha
mas é para ti que volto
África
mãe África

Você que me deu à luz
não me destrua
nem me atire a sua maldição
caso contrário, não tenho futuro,
brutalizada pela minha própria mãe
Eu sou Angola, a sua Angola
não vinculada ao opressor
nem amiga do opressor
nem a filha bastarda
que te provoca
eles caem em uma armadilha
desiludidos
incapazes de distinguir a verdade da mentira
pela força cândida ou secular
agora cegos
como você é

África
mãe África
dando força para o irmão bastardo
que me sufoca
apunhalas-me nas costas

O opressor, o amigo do opressor
seu filho bastardo
(você também, Mãe África?)
afastas-te
do meu último suspiro

mas a África
mãe África
pelo seu amor tu concedes à compreensão
eu ainda quero acreditar em ti